quinta-feira, fevereiro 25, 2010

"trinco"

"Esforço inglório, pois Cambiasso mudou tudo. O trinco enganou Peter Cech à segunda tentativa. Depois, Cech lesionou-se e entrou o português Hilário. O Chelsea, Ricardo Carvalho em bom plano, continuou ofensivo, mas esbarrarou no central Lúcio. A equipa saiu revoltada por causa de um petardo de Drogba ao poste e uma grande penalidade não assinalada a seu favor (45’). No outro jogo, CSKA e Sevilha anularam-se (1-1)."

trinco
petardo

jardim da estrela



todos os patinhos sabem bem nadar...

quinta-feira, fevereiro 18, 2010

quarta-feira, fevereiro 17, 2010

terça-feira, fevereiro 16, 2010

coisas

roxos roxos de mirtilo os
olhos da tua amada
leva-lhe o lírio do campo
dá-lhe violetas de parma
enche-a da cor da paixão

rouges ses lèvres d´amour
dá-lhe cravos de cetim
sangues nas suas pétalas
aroma de doces amoras
coloca em sua face

LUÍS ADRIANO CARLOS

COLÓQUIO DOS AMANTES À PORTA DO TEMPLO


Começa, não esperes por mim, atravessa a porta para além do fim,

recolhe o odor da flor no canto do jardim, começa como quem regressa

de dentro de mim quando a vida acelera, não esperes enquanto esperas,

recomeça do zero teu discurso austero em que aos poucos desespero.


Começa, reza por mim esta sílaba errática numa língua sem gramática,

soletra cada palavra como quem grava uma oitava nas águas com que se lava,

decifra todas as letras que o vento expira nas gretas da solidão, respira sem mim

enquanto me trazes dentro do pulmão, começa a caminhar na pura imaterialidade

como quem atravessa o fim no princípio mais distante de qualquer cidade.


Começa, não esperes enquanto esperas, começa e recomeça depois de recomeçares,

safah, toma esta palavra em forma de porta iluminada, língua ardendo nos lábios,

davar, toma esta palavra em forma de torre insuflada, língua mordendo os lábios,

graça infinita de ser ave, garça branca que comove a sarça ardente quando chove.


Começa, não esperes por ti, começa e atravessa a porta para além de mim,

respira-me no perfume do jardim mas leva-me no teu lume para além do fim,

não esperes senão o que te espera, e no entanto espera do sal da terra

o verão incorruptível da primavera e a paixão do tempo imóvel que acelera,

habita para além de ti o infinito e reza no canto infeliz a sílaba do teu grito.


Começa, espera por mim, começa de súbito o meu recomeço antes de ser hábito,

começa e reinventa esta palavra como se fosse lava da sarça ardendo em cada lábio,

começa e soletra cada letra, letra a letra, e no fim desperta como quem se oferta,

para que tudo em nós recomece e cante e reze a nossa primeira prece.


Começa, espera ou não por mim em ti, mas começa em ti dentro de mim.

LUÍS ADRIANO CARLOS

domingo, fevereiro 14, 2010

sábado, fevereiro 13, 2010

Funchal - jovens no "escorrega"

Posted by Picasa

praia formosa - Madeira

Posted by Picasa

mercado do Funchal

Posted by Picasa

exposição

ilha - gravura
Posted by Picasa

exposição

tudo é possível - pintura
Posted by Picasa

exposição

maná - scanner
apocalipse - fotografia, picasa e photoshop
Posted by Picasa

exposição

ritmos - fotografia
Posted by Picasa

exposição

made in china - pintura
Posted by Picasa

exposição

início - fotografia
Posted by Picasa

exposição

meteoro - fotografia
retrato - fotografia
Posted by Picasa

exposição

cenários - fotografia
Posted by Picasa

exposição


Bairro Alto - fotografia
Rua do Loreto - fotografia
Ritmos - fotografia

retrato - fotografia
coração verde - pintura
a venda - gravura

folhas, à esquerda-fotografia
retrato, à direita - fotografia
Posted by Picasa

sexta-feira, fevereiro 12, 2010

Francisco Franco


Na Ponta do Pargo
Imagens de trabalhos de Francisco Franco, natural desta freguesia.
Gilberto Garrido, Manuela Cristóvão e Isabel Bastos.

grrr

estou mais que farta de políticos, jornalistas e poderosos
seria boa ideia se fossem varrer as ruas, todos, tomar banho e vender batatas.

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

hum

nunca desejei ter os meus 15 minutos de televisão
e não sou exactamente eu...com aquele penteado
e aquela roupa
e a minha voz
algumas palavras têm o sotaque da minha irmã mais nova que mora longe de mim
mas a minha idade é mesmo aquela
e o que digo...hum
nunca soube exprimir-me oralmente
ora
e depois?
tudo isto desaparecerá
o que interessa é o momento

http://www.rtp.pt/multimedia/index.php?tvprog=25719&idpod=35244&formato=wmv&pag=recentes&escolha=

quarta-feira, fevereiro 10, 2010